Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

De Redundo para o Mundo

Um olhar sobre o mundo das notícias

De Redundo para o Mundo

Um olhar sobre o mundo das notícias

Uma em cada quatro estrelas semelhantes ao sol pode albergar planetas habitáveis como a Terra

11.11.10 | adamirtorres

Um estudo publicado na revista Science refere que cerca de 25% das estrelas semelhantes ao sol podem albergar planetas do tamanho da Terra. Em alguns casos, a distância orbital destes planetas pode possibilitar a presença de água no estado líquido.

“Cerca de 25% das estrelas semelhantes ao sol podem conter nos seus sistemas solares planetas com o tamanho da Terra”, referem os astrónomos Andrew Howard y Geoffrey Marcy da Universidade de Berkeley (Califórnia), num artigo publicado na revista Science.

Para chegarem a esta conclusão estes dois cientistas analisaram 166 estrelas do tipo G (amarelas como o sol) e do tipo K (anãs vermelhas) que estão a 80 anos-luz da Terra.

Durante 5 anos trabalharam no Telescópio Keck, instalado no Havai, com o objectivo de determinar o número, massa e distância orbital entre os exoplanetas e as suas estrelas. Encontraram um número elevado de planetas denominados Super-Terra que apresentam entre três a dez vezes a massa do nosso planeta.

Os seus resultados foram impressionantes: da análise de estrelas da Via Láctea, cerca de 1% têm planetas como Júpiter e Neptuno e 6 a 12% apresentam Super-Terras. De acordo com Howard “se extrapolarmos estes números para os planetas como a Terra, podemos prever que cerca de 23% apresentam o seu tamanho”. Estas novas técnicas possibilitam, já na próxima década, a descoberta de outros planetas semelhantes ao nosso, sem termos de procurar muito longe.

Como as observações destes cientistas se centraram em exoplanetas com um período orbital inferior a 50 dias é possível que haja uma maior percentagem de planetas como a Terra, numa zona mais distante da estrela. Esta situação permitiria a existência de água no seu estado líquido e por sua vez a criação de condições essenciais para tornar estes planetas habitáveis.

Fonte: Naturlink