Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

De Redundo para o Mundo

Um olhar sobre o mundo das notícias

De Redundo para o Mundo

Um olhar sobre o mundo das notícias

O melhor FC Porto ainda é o de Siska

Pela primeira vez na sua história, o FC Porto venceu um campeonato sem derrotas, obtendo 84 dos 90 pontos disponíveis. Um registo memorável alcançado pelo jovem treinador André Villas-Boas que se traduz na conquista de 93,3 por cento dos pontos possíveis, mas que não bateu a prova quase perfeita dos “dragões” em 1939-40 conduzida pelo técnico húngaro Mihaly Siska: 94,4 por cento dos pontos possíveis. Se os dois técnicos azuis e brancos ocupam os lugares de bronze e prata do pódio, o ouro continua na posse do inglês Jimmy Hagan, que levou o Benfica de 1972-73 a terminar também invicto, mas arrecadando 96,7 dos pontos possíveis.

E se Villas-Boas chegou muito perto da melhor contabilidade de Siska (um treinador que se estreou no banco portista com apenas 32 anos), não quererá certamente atingir o pior registo do magiar. É que poucos anos depois, no final da época 1942-43, o húngaro levou o FC Porto a bater bem no fundo, naquele que foi o pior ano da equipa no campeonato ao nível pontual: 38,8 por cento dos pontos em disputa, que valeram um sétimo lugar. O campeonato e o futebol eram, no entanto, bastante diferentes nos anos de Siska, com a prova a disputar-se em apenas 18 jornadas.

Se o FC Porto disputou uma das melhores (senão a melhor) Liga do seu historial, o Sporting continua a bater recordes negativos. Apesar de vencer o Sp. Braga na derradeira jornada e garantir o terceiro lugar da prova, os “leões” igualaram a temporada passada, conquistando apenas 53,3 por cento dos pontos possíveis. Foram as duas piores temporadas do clube de Alvalade desde o início oficial da competição, em 1934-35. E o balanço da época de 2010-11 é mais gravoso para o Sporting ao terminar com a pior desvantagem pontual de sempre do conjunto leonino para o campeão: 36 pontos.

Valerá ainda ao Sporting o (fraco) consolo de ser o “grande” que tem o menos gravoso registo estatístico no ranking das piores percentagens em campeonatos. Este recorde pertence ao FC Porto e ao já mencionado Siska, em 1942-43. Os “dragões” ocupam mesmo os cinco registos mais negativos neste particular e são o único do trio que já ficou abaixo dos 50 por cento: 38,8 por cento, em 1942-43 (sétimo lugar no campeonato); 42,3 por cento, em 1969-70, com o técnico romeno Elek Schwartz (nono lugar); 45,5 por cento, em 1945-46, com o treinador húngaro Josef Szabo (sexto).

Bem mais recente é o pior campeonato da história do Benfica e este, imagine-se, ocorreu na temporada em que José Mourinho chegou à Luz, para iniciar a sua carreira de treinador, em 2000-01. Na época que marcou a saída de Vale e Azevedo e a entrada de Vilarinho para a presidência, os “encarnados” alcançariam apenas 52,9 por cento dos pontos em disputa, encerrando a temporada no sexto lugar da tabela.

O Sporting tem sido mais ou menos discreto no pior, mas também no melhor. O campeonato mais conseguido da equipa de Alvalade figura em nono lugar na lista dos melhores em Portugal e, com 64 anos, já está a entrar na idade de reforma. Foi alcançado em 1946-47, pelo treinador inglês Robert Kelly, que levou os “leões” ao título com 90,4 por cento dos pontos, em 26 jornadas. Alinhavam na equipa os “cinco violinos”: Peyroteo, Travassos, Albano, Jesus Correia e Vasques.

Fonte:Publico