Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

De Redundo para o Mundo

Um olhar sobre o mundo das notícias

De Redundo para o Mundo

Um olhar sobre o mundo das notícias

Passos quer entendimento com PS para quatro anos

06.10.15 | adamirtorres

BP 03

 

No Conselho Nacional do PSD, que aprovou por unanimidade o acordo de Governo com o CDS, Passos Coelho defendeu um entendimento mais a longo prazo para que haja condições de governabilidade mesmo quando as condições externas já não estiverem tão favoráveis como estão hoje ou os juros da dívida já não forem tão baixos. Se esse entendimento passa por uma solução de Governo ou apenas pela Assembleia da República não é claro. Nem o PSD quer fechar a porta a nenhum dos cenários antes de se iniciarem conversações com os socialistas. Até porque o PS tem um congresso marcado.

Na comissão política nacional do PSD, que se reuniu antes do Conselho Nacional, Passos Coelho deu o exemplo do primeiro Governo liderado por António Guterres que não tinha maioria absoluta (o Parlamento dividiu-se em 115/ 115 deputados) e que chegou ao fim. O líder do PSD não o disse, mas as negociações com a oposição da altura passavam pelo ministério dos Assuntos Parlamentares cujo secretário de Estado era precisamente António Costa, o actual líder do PS.   

Ler mais...

Passos quer entendimento com PS para quatro anos - PÚBLICO


PSD abre espaço a PS mas não para Governo - Observador

06.10.15 | adamirtorres

 

PSD e CDS, respetivamente, aprovaram esta noite um acordo de Governo para a próxima legislatura que abre portas a entendimentos de natureza parlamentar com “todas as forças políticas” e que vai ao encontro dos objetivos do PS. Intitulado “Proposta de acordo de governo e de colaboração política entre PSD e CDS”, o documento, que foi desenhado por José Matos Correia e Luís Pedro Mota Soares, é vago nas propostas para a governação e assenta em objetivos gerais de “defesa e reforço do Estado Social” e de “promoção da competitividade da economia”, nomeadamente através do “investimento privado e inovação”. Tudo condições que parecem ir ao encontro das linhas gerais defendidas pelo PS, mas sem detalhe.

No documento, que está a ser discutido entre os conselheiros nacionais do PSD e que vai depois ser discutido entre os conselheiros nacionais do CDS, lê-se que “o Governo atuará com um permanente espírito de compromisso, desenvolvendo as negociações adequadas para a construção, nos mais diversos planos, dos necessários entendimentos”, uma vez que, depois de perderem a maioria absoluta, centristas e sociais-democratas reconhecem que o novo quadro político obriga a entendimentos com “todas as forças políticas” e “parceiros sociais”.

 

ler mais...

PSD abre espaço a PS mas não para Governo - Observador


Rui Rio poderá ser ministro num Governo com muita gente de saída

06.10.15 | adamirtorres

Torre Belem

 

Dos 14 ministros actuais, há quatro que não transitam para a nova formação. Entre eles estão António Pires de Lima, ministro da Economia, que sempre afirmou que, independentemente do resultado das legislativas, no fim do mandato voltaria ao sector privado; e Miguel Poiares Maduro, ministro adjunto e do Desenvolvimento Regional, que anunciou a saída em Julho, para regressar a carreira académica. Caso contrário, perderia o vínculo contratual com o Instituto Universitário Europeu de Florença, em Itália.

Também sai Paula Teixeira da Cruz, ministra da Justiça, que, assegura fonte próxima do PSD, "depois das polémicas, como a do Citius, não tem condições para continuar". E Anabela Rodrigues, da Administração Interna. "Foi uma escolha de recurso aquando da saída de Miguel Macedo", considera a fonte.

Na lista dos indecisos, mas com provável bilhete de saída, estão Paulo Macedo, ministro da Saúde, que já terá manifestado "vontade de sair"; Rui Machete, ministro dos Negócios Estrangeiros, que aparentemente tem a tutela mais disputada; e Nuno Crato, da Educação, pelas mesma razões de Teixeira da Cruz. "Um Governo de minoria precisa de ser politicamente forte, para negociar com a Oposição, e ao Crato não tem lugar".

Rui Rio pode ser ministro num Governo com muita gente de saída - JN


Partidos de Garcia Pereira e Marinho e Pinto vão receber 170 mil euros por ano

05.10.15 | adamirtorres

 

Os partidos liderados por António Marinho e Pinto (PDR) e José Garcia Pereira (PCTP/MRPP) não conseguiram eleger qualquer deputado nas legislativas deste domingo, mas por terem conseguido mais de 50 mil votos vão receber uma subvenção anual superior a 170 mil euros cada um durante os quatro anos que dura a legislatura.

De acordo com a lei do financiamento dos partidos políticos e das campanhas eleitorais, todos os partidos que obtenham mais de 50 mil votos nas eleições legislativas têm direito a receber uma subvenção que é calculada com base no salário mínimo nacional (SMN) de 2008. Cada voto vale 1/135 do valor do SMN 2008 (426 euros), ou seja, 3,155 euros. Mas, devido às medidas de austeridade do Governo de Pedro Passos Coelho, até Dezembro de 2016, o montante final sofre um corte de 10%. Assim, para efeitos de cálculo, cada voto vale, em termos líquidos, 2,84 euros.

Tendo em conta os 60.912 votos obtidos pelo PDR em território nacional, quando estão ainda por apurar os resultados no estrangeiro, o partido liderado pelo antigo bastonário do advogados e actual eurodeputado irá receber pelo menos cerca de 173 mil euros por ano. Este dinheiro é pago pela Assembleia da República em duodécimos, como se de uma renda mensal se tratasse.

Partidos de Garcia Pereira e Marinho e Pinto vão receber 170 mil euros por ano - PÚBLICO


Marcelo mais perto de ser candidato a Presidente

05.10.15 | adamirtorres

 

Marcelo Rebelo de Sousa ficou esta segunda-feira um pouco mais perto de ser candidato às próximas eleições presidenciais de Janeiro.

Na TVI, no final de um comentário sobre os resultados das eleições legislativas, que já tinha comentado na véspera no mesmo canal, Marcelo confirmou que já tomou uma decisão. E sem o confirmar, deu claramente a entender que deverá mesmo avançar para Belém.

“Uma coisa é o sítio onde se apresenta a decisão, outra é a ponderação e a decisão. Hoje, o cenário é muito mais claro em matéria de governo e de presidenciais. Agora, uma coisa é ter o cenário claro na cabeça, ponderado e decidido, outra coisa é falar dele. Falar dele é certamente fora da TVI, não faria sentido confundir o comentador com o potencial actor político.”

Expresso | Marcelo mais perto de ser candidato a Presidente

---------- “Favor não mexer, obrigado” ------------ #*/-->
---------- “XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX” ------------ #*/-->

Na altura certa para anunciar, aproveitando a vitoria do PaF nas eleições. Numa altura em que o PS esta mais fraco.

---------- Fim Texto------------ #*/-->
---------- Fim Post------------ #*/-->

Azul nortenho foi mais forte - Primeira liga

05.10.15 | adamirtorres

dragao1.jpg

 

O FC Porto recebeu e goleou este domingo o Belenenses, por 4-0, num duelo que só teve golos no segundo tempo. Jesús Corona, Yacine Brahimi, Dani Osvaldo e Iván Marcano apontaram os golos que mantêm os 'dragões' no primeiro lugar da Liga, agora com 17 pontos.

Num encontro em que Julen Lopetegui devolveu a titularidade aos mexicanos Jesús Corona e Miguel Layún, a equipa da casa foi sempre mais forte, embora tenha permitido um par de ocasiões perigosas ao Belenenses, em particular no primeiro tempo.

A primeira ocasião de golo pertenceu mesmo aos 'azuis' do Restelo, mas Casillas fez uma grande defesa após cabeceamento de Kuca. A formação de Lopetegui reagiu e aproximou-se da baliza de Ventura, mas Corona atirou ao lado e André André permitiu a defesa do guardião adversário.

 

Ler mais...

Azul nortenho foi mais forte - Primeira liga - Futebol - SAPO Desporto


Governo à Direita num Parlamento à Esquerda

05.10.15 | adamirtorres

Torre Belem

 

O grande derrotado foi o PS. Ainda assim, o seu líder, António Costa, garantiu que não se vai demitir. Mais a esquerda, destaque para o resultado do Bloco de Esquerda que, com o melhor resultado da sua história, ultrapassou uma CDU que cresceu aquém das expectativas. Relativamente a novos partidos, o PAN consegue finalmente eleger um deputado. O Livre de Rui Tavares e o PDR de Marinho e Pinto ficam de fora do Parlamento.

Governo � Direita num Parlamento � Esquerda - JN


Pág. 2/2