Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

De Redundo para o Mundo

Um olhar sobre o mundo das notícias

De Redundo para o Mundo

Um olhar sobre o mundo das notícias

Casa da Opera de Izmir

26.03.11 | adamirtorres

 A cidade portuária de Izmir (ou, em português, Esmirna), uma das maiores áreas metropolitanas da Turquia e considerada, durante o século XX, como uma das mais cosmopolitas do mundo, quer voltar a fazer jus ao seu título de "pérola do Egeu".

 E é na cultura que está a virtude. Por isso, foi lançada a Izmir Opera House Competition, um concurso que desafia arquitectos de todo o mundo a conceber um design inovador para a nova casa da ópera, de forma a que Esmirna se assuma, novamente, como um grande centro de actividades económicas e culturais a nível internacional.


O escritório de arquitectura e design Nüvist, sediado em Istambul desde 2006, respondeu ao apelo, apresentando uma proposta que, de acordo com os arquitectos, "reflecte a história, a cultura e o estilo de vida moderno de Izmir". E é nessa crença de que o urbanismo tem um impacto inegável no design e na funcionalidade dos espaços que se baseia o conceito do projecto da Nüvist para esta casa da ópera.

 

De facto, o design deixa perceber uma fluidez entre o meio urbano em que se insere e a própria estrutura do edifício projectado, cuja identidade é definida sobretudo pelas suas formas curvilíneas e alongadas.

Fonte: obvious


 

 

 

 

 



Passos Coelho e o IVA

26.03.11 | adamirtorres

"Os impostos indirectos tratam todos pela mesma medida, tanto pobres como ricos, razão porque são, nesse aspecto, mais injustos. É essa, aliás, a razão porque eu nunca concordei em taxar cada vez mais os impostos indirectos, nomeadamente o IVA. Ele vale 20% para quem tem muito como para quem tem pouco".

 

Pedro Passos Coelho, no livro "Mudar", editado em 2010.

 

 

"Se ainda vier a ser necessário algum ajustamento, a minha garantia é de que seria canalizado para os impostos sobre o consumo, e não para impostos sobre o rendimento das pessoas".

 

Pedro Passos Coelho, em Bruxelas,2011.



81 cidades Portuguesas mostram o seu compromisso com o Planeta

26.03.11 | adamirtorres

81 cidades e vilas portuguesas (lista em anexo), entre as quais Lisboa, Faro, Coimbra, Tomar e Lajes do Pico (Açores) apagam as luzes dos seus monumentos mais emblemáticos, juntando-se assim a cerca de 4000 cidades de todo o mundo que desde 2007 – quando Sidney levou a cabo este evento pela primeira vez – se têm juntado neste gesto simbólico que já tornou a Hora do Planeta um dos maiores movimentos voluntários de luta contra as alterações climáticas a nível global.



Complexidade E Mudança

25.03.11 | adamirtorres

Ao longo dos anos o dia-a-dia das pessoas, tem sofrido bastantes modificações, umas melhores outras piores, umas com fácil aplicação, outras que demoram anos a ser aplicadas correctamente e outras nem damos conta do progresso que vão tendo. Em criança ia para casa do meu avô, ele tinha lá algumas ferramentas que utilizava no trabalho, todas elas eram manuais, não tinha nenhuma eléctrica, quando comecei a trabalhar já tinha máquinas para fazer quase tudo, pouca coisa fazia à mão, hoje em dia as máquinas são quase todas automáticas, controladas por computadores e sistemas informáticos.

A nível de produção os computadores vieram trazer mais organização na forma de trabalhar; antigamente passávamos o dia a correr atrás do encarregado para o questionar sobre o trabalho, hoje com as fichas de produção e os desenhos técnicos temos toda a informação que necessitamos para executar as nossas tarefas. Estas alterações vieram fazer com que as empresas aumentassem a produção e diminuíssem os custos. As máquinas também evoluíram bastante no que diz respeito à segurança no trabalho, por exemplo a CNC que eu trabalho está equipada com um tapete de segurança, se alguém o pisar, ela pára instantaneamente, está também equipada com controladores de emergência em pontos estratégicos que a imobilizam imediatamente.

 

Conclusão:

As TIC alteraram muito a vida das pessoas e das sociedades, agora temos uma imagem muito mais profunda do mundo em que vivemos e o conhecimento está à distância de um clique.

As TIC controlam tudo, desde a informação, ao tráfego, desde os sistemas de energia até aos satélites e com certeza que a sua evolução ainda está muito longe de atingir o limite!


Diferenças entre um estado democrático e ditatorial

25.03.11 | adamirtorres

A palavra “democracia” quer dizer “governo do povo”. Diz-se que um estado é democrático quando é exercido com o consentimento de todos nós. Num estado democrático os governantes garantem e respeitam a nossa liberdade e os nossos direitos. Num estado democrático, as próprias autoridades políticas estão sujeitas ao respeito das leis.

Num estado ditatorial os eleitos não são escolhidos pelo povo, nem respeitam as leis e há sempre violação dos direitos dos cidadãos. Portugal viveu o regime ditatorial na época de António de oliveira Salazar e nessa altura muitos foram os atentados contra os direitos humanos. 

 

Salazar proibiu a formação de outros partidos políticos. Foi também proibido o direito à greve, quando apanhavam grevistas agrediam-nos e torturavam-nos. Também não havia liberdade de expressão. Tudo era lido antes de ser publicado e cortavam o que não queriam que fosse divulgado, isto para evitar que Salazar fosse criticado; só deixavam passar vantagens e escondiam tudo que prejudicasse o governo. Havia também a PIDE (Polícia Internacional e de Defesa do Estado) que funcionava com informadores secretos que acusavam as pessoas que falassem ou agissem contra o governo e depois a polícia prendia-os.



Direitos e deveres do cidadão

25.03.11 | adamirtorres

Cada um de nós tem o direito de viver, de ser livre, de ter uma casa, de ser respeitado como pessoa, de não ter medo, de não ser descriminado por causa da raça, da situação em que está, ou por outra coisa qualquer, direito à justiça, à saúde, à escolaridade, ao trabalho, etc.

 

Qualquer ser humano é nosso companheiro porque tem os mesmos direitos que nós temos. Esses direitos são sagrados e não nos podem ser negados, se isso acontecer podemos e devemos lutar para que eles sejam reconhecidos. Às vezes cidadãos vêm-se privados dos seus direitos por causa do preconceito e do racismo; ainda nos dias de hoje encontramos pessoas que se sentem no direito de impedir os outros de viverem uma vida normal só porque não pertencem à mesma classe social, raça ou religião. Nós temos direitos e devemos fazer valer os mesmos independentes do que temos ou somos.

Mas com

o cidadãos não temos apenas só direitos, mas deveres para com a nação, além de lutar pelos direitos iguais para todos, de defender a pátria, de preservar a natureza, educar e proteger os nossos filhos, votar para escolher os nossos governantes e os nossos representantes, de fazer cumprir as leis e muito mais. Ser cidadão é fazer valer os seus direitos e deveres civis e políticos, é exercer a sua cidadania. Com o não cumprimento do dever o cidadão pode ser processado juridicamente pelo país e até mesmo privado da sua liberdade.



A imigração e a emigração

25.03.11 | adamirtorres

Também em 2007 as dificuldades chegaram à minha família, os níveis de desemprego em Paços de Ferreira eram e continuam a ser muito elevados e nessa altura um irmão e três irmãs minhas e respectivos maridos, ficaram sem trabalho. Como tinham conhecimento de alguns vizinhos que tinham emigrado para a Escócia e estavam contentes com as condições e qualidade de vida lá, decidiram também eles tentar a sua sorte nesse país.

Após alguns contactos foram viver e trabalhar para uma pequena vila em Aberlour, fica no norte, é uma zona rural e tem como ponto turístico o largo rio Speyside River, uma zona de pesca. Aberlour é uma zona migratória, a maioria dos imigrantes vão trabalhar para a fábrica de bolachas Walkers Shortbread uma das maiores e prestigiadas fábricas do mundo. Durante o tempo que lá trabalharam assistiram a uma visita da rainha Isabel II de Inglaterra.

Entre Portugal e a Escócia existem várias diferenças, uma das maiores é o clima pois neva muito no Inverno, os dias também são diferentes, anoitece muito cedo - por volta das 16:30 já é noite e em contrapartida há alguns dias de Agosto que só começa a escurecer por volta das 23:00, o calor também é algo raro por aqueles lados.

 

Entretanto a crise financeira também chegou à Escócia e como consequência foram extintos alguns turnos na prestigiada fábrica de bolachas. Ao fim de semana, que eram os dias mais bem pagos, deixou de se trabalhar e como o nível de vida é muito caro deixou também de compensar permanecer lá, ao fim de três anos todos regressaram a Portugal, menos a minha irmã Ana Maria que conseguiu no tempo que lá esteve alcançar um cargo melhor na fábrica e por isso decidiu ficar lá com o marido.

 

Mas a imigração não se restringe apenas às pessoas, os animais também têm as suas rotas migratórias, existem vários motivos que levam os animais a imigrar, uns para procriar, outro à procura de alimentos e outros pelo clima. Lembro-me das Andorinhas que todos os anos no início da Primavera vinham ter a casa da minha avó, era uma casa rural e tinha um grande beiral, onde as Andorinhas faziam os ninhos, todos os anos era o mesmo ritual, vinham para acasalar, todos os ninhos tinham crias, era muito bonito ver como a fêmea tratava das crias, ao fim de algum tempo também os filhotes começavam a voar, quando chegava o Outono sabia-se que iam partir pois começavam a sobrevoar em volta da casa como se estivessem a agradecer pelo facto de as terem deixado lá estar, depois reuniam-se com as outra Andorinhas que já vinham em rota migratória e partiam. Era tudo muito bonito, nós deixávamos os ninhos ficar de uns anos para os outros à espera que voltassem e na Primavera seguinte tudo se repetia.



Opinião a cerca das medidas de integração dos imigrantes em Portugal

25.03.11 | adamirtorres

Eu penso que o nosso país tem lidado bastante bem com esta nova realidade que é a imigração, durante muitos anos fomos um país de emigrantes, o normal era serem os portugueses a procurarem noutros países empregos mais bem remunerados e melhores condições de vida e de há uns anos para cá Portugal tem sido também destino de imigrantes e apesar de realmente não estarmos habituados a estes fluxos de imigração a meu ver as iniciativas portuguesas para a integração destas pessoas tem resultado. Dessas iniciativas destaco o ensino da língua portuguesa, a possibilidade de obterem equivalência e exercerem aqui em Portugal a profissão para a qual estudaram no país de origem. A possibilidade e apoio para arranjar casa e a todos os outros apoios dados aos residentes, inclusive no que diz respeito ao acesso à saúde e à educação.


Existem no entanto pessoas que não vêm com bons olhos os imigrantes porque acham que eles nos vêm roubar postos de trabalho e esquecem-se dos nossos que vão para fora. Na minha opinião eles são-nos mais benéficos do que prejudiciais porque é gerada riqueza, apesar deles enviarem grande parte do dinheiro que ganham para o país natal, além disso com eles vêm também novas ideias, novas culturas e mais desenvolvimento humano, não esquecendo ainda o facto da população portuguesa estar a envelhecer, de termos uma baixa taxa de natalidade e dos Portugueses, embora menos, continuarem a sair do pais, a juntar a tudo isto está ainda o facto de que existem profissões que são menos apelativas e que eles se sujeitam tais como serventes de limpeza, serventes de construção civil, pedreiros e trabalhadores agrícolas.

 

Claro que infelizmente a chamada “escravatura moderna” existe, ainda há pouco tempo saíram várias notícias sobre o caso na comunicação social:

“Quatro romenos foram encontrados num contentor no porto de Bissau, num barco proveniente de Lisboa. Os quatro imigrantes, de idades entre os 27 e os 53 anos, trabalharam quatro meses em Portugal. Tinham pago quatro mil euros a um intermediário para os levar para o Canadá, mas foram enganados e colocados num contentor para a Guiné-Bissau. Embarcaram no início de Fevereiro e, quando perceberam que tinham chegado a terra, puseram-se a bater com martelos nas paredes do contentor. (fonte: Expresso)”

 

“Dois portugueses e um francês foram detidos pelo Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF), suspeitos de angariação de mão-de-obra ilegal, auxílio à imigração ilegal, extorsão e fomento da prostituição. Os dois portugueses e o francês foram detidos quarta-feira, numa fiscalização a três casas nocturnas em Matos da Ranha, Leiria e Alvaiázere. Identificaram 15 cidadãs brasileiras, das quais seis foram detidas por permanência ilegal em Portugal e uma pelo crime de violação de interdição de entrada. (fonte: Público)



Volta à Catalunha: Manuel Cardoso vence 4.ª etapa ( Resumo)

25.03.11 | adamirtorres

Para o ciclista de Paços de Ferreira, de 26 anos, a vitória na 4.ª etapa da Volta à Catalunha.

 

Manuel Cardoso conseguiu finalmente o primeiro triunfo do ano, depois de em 2010 a estreia vitoriosa ter chegado bem mais cedo, no Tour Down Under, em janeiro.

“Estava bem para o Milão-Remo, mas sofri uma queda, que me deixou um pouco debilitado. Mas cheguei à Catalunha confiante e logo no primeiro sprint fui terceiro, no triunfo do Petacchi. Deu-me confiança. Hoje, sim, tudo correu bem”.